domingo, 25 de janeiro de 2009

Eu e os voos - 2


Lembrei naquele exato instante dos filmes que falam sobre queda de aviões. Tem sempre aquele passageiro que morreu de bobeira porque chegou atrasado e insistiu em entrar no avião. A paranóia foi aumentando quando tive que dar aquela corridinha para embarcar. Cena clássica dos longas que têm esse enredo. Ainda na fila na sala de espera, um ex-candidato a vereador - que fez parte do documentário Vocação do Poder - puxa conversa comigo. Pronto, tive certeza de que era um aviso. Os filmes sobre desastre de aviões costumam mostrar diálogos entre desconhecidos. A tensão naquele minuto cresceu mais ainda. Entro, finalmente, naquele meio de transporte. Coloco minha pequena malinha no compartimento acima da minha poltrona, sento, tento me distrair folheando uma revista e instintivamente olho para a poltrona do outro lado do corredor. Não deveria ter feito isso. Lá estava um padre todo vestido de preto e o que é pior.... se benzendo. Senti um terror absurdo percorrendo o meu corpo e uma vontade louca de buscar aquele santo remédio para o medo, mas guardei na mala e não tinha mais como abrir. Imediatamente pensei: se aquele padre, que supostamente tem conexão direta com Ele, se benze nessas horas, imagina eu que não tenho um telefone vermelho com o homem!
Tentei me concentrar num livro de bolso sobre cinema, cujas folhas estão mais amassadas do que um maracujá de gaveta. Obviamente, transpirei um rio inteiro na decolagem. Durante o voo, cheguei à seguinte conclusão: vou fazer um curso de roteiro.

7 comentários:

Sergio Brandão disse...

Ahahahaha!!! O mais engraçado é que acho que "medo de avião" não combina nada com vc... Uma pessoa que já fez tantas "decolagens" já deveria estar acostumada com mais esta... rs Bjsss.

DestroieR disse...

kkkkk....eu particurlamente não tenho medo de avião e adoro voar, mas diante de tantas evidências como estas, com certeza eu não teria embarcado.
bye

Florenza disse...

Mais cedo, mais tarde, isso passa ou piora, Babi. Vai enfrentando seus medos porque a decolagem diária é a coisa mais certa da terra.bjs
Querida, obrigada pelo comentário no meu blog. Prometo escrever mais, tá?

Bárbara Pereira disse...

Sérgio: quando a decolagem não é simbólica e sim real aí é que o bicho pega!!!

Destroier: na próxima eu tb não embarco.

Flor: se eu puder enfrentar esses medos com os pés bem no chão... tudo bem!

Beijos a todos e todas

isabella saes disse...

Adorei!! E como diz nosso amigo super-homem: para o alto e avante!! Beijos

Bárbara Pereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bárbara Pereira disse...

Belíssima,

e eu adorava a mulher-maravilha naquele avião transparente. Era muito poderosa!

Bjs