quinta-feira, 3 de abril de 2008

Mao amarela!


Todo mundo acha que trabalhar na tevê é um glamour só, mas o que muita gente não sabe é que os profissionais da telinha também têm os seus dias difíceis. Aliás, o povo adora quando um apresentador faz uma besteira, talvez as escorregadas, que diga-se de passagem fazem parte de qualquer profissão, aproximem aqueles seres encaixotados daqueles que estão sentados no sofá. Psicologia - sem fundamento, é claro - à parte, o que importa neste post é dizer que a gente passa por maus bocados de vez em quando, principalmente quando o programa é transmitido "ao vivo". E confesso: no momento em que o escorregão acontece a gente quer morrer, sumir, ser abduzido por um extraterrestre... mas depois que o tempo passa é possível dar boas gargalhadas ao lembrar de algumas situações embaraçosas. Foi o que aconteceu hoje comigo. Uma amiga - ou inimiga, quem sabe - me fez o favor de lembrar de um dia de profunda distração em que chamei um convidado de....peido, isso mesmo o sinônimo de flatulência. O nome dele era.... Pedro! Atire a primeira mão amarela aquele que nunca foi traído por seus pensamentos!

3 comentários:

Kika Gada disse...

Eu sempre me lembro dessa história. Beijocas!!!!!

isabella saes disse...

Hahahahaha!!! Adorei!!!! E quando numa passagem, com fundo das igrejas incríveis de Ouro Preto, fazendo matéria sobre o barroco, etc... eu só dizia "igroja". Menina, mas não tinha santo que me fizesse trocar o "o" pelo "e". Tomei uma água, respirei fundo e - depois de muito tempo - falei... "igroja".

Bárbara Pereira disse...

Bella,

vc não sabe que sou totalmente influenciável? Agora vou falar IGROJA no próximo vivo em que essa palavra aparecer!!! rs

Beijos