domingo, 7 de dezembro de 2008

Cinema e realidade

Estava louca para ver o último do Woody Allen, ainda mais depois que um grupo de mulheres, durante uma festa, resolveu fazer a velha brincadeira do "você seria quem?. Na tal festa, elas queriam que cada uma dissesse se era Vicky, Cristina ou Maria Elena? Como eu ainda não tinha visto o longa, não pude brincar. Mesmo assim, uma delas disse que eu parecia ser Maria Elena. Motivada por essa definição, parti hoje à tarde sozinha para a sala escura. Antes da sessão começar, sento naqueles bancos de madeira que ficam no meio do Estação Botafogo. Dois minutos depois, um senhor, com cara de quase 80 anos, senta ao meu lado. Pergunta se eu sinto frio, fala sobre o filme que vai assistir, pergunta qual eu vou ver e, ao saber da minha escolha, conta que era de Barcelona e que eu deveria conhecer. De repente, se aproxima uma senhora, cerca de 10 anos mais nova que ele, e entrega o ingresso. Ele diz que já havia comprado e sugere que ela pegue o dinheiro de volta. Quando ela se afasta ele revela:
- Não via essa moça há quase 30 anos!
Já não se fazem mais homens elegantes como antigamente.
ps.: Para quem ficou curioso: não, eu não me identifico com a Maria Elena.

6 comentários:

Sergio Brandão disse...

Bárbara, gostei muito do fato que vc testemunhou... Me lembrou uma das cenas de televisão mais inesquecíveis pra mim: foi no último capítulo daquela novela "O casarão", que eu só pude gravar quando foi reprisada (é claro! rs). Foi protagonizada por dois "monstros sagrados" da teledramaturgia, Paulo Gracindo e Yara Cortes, que, na trama, tinham marcado um reencontro na Confeitaria Colombo. Na seqüência, o primeiro espera por ela, quando a personagem chega, se aproxima da mesa, senta e pergunta: "Demorei muito???" e o homem responde ma-gis-tral-men-te: "Só quarenta anos..." E a edição fica se revezando entre os closes, pra lá de talentosos, de um e de outro. Fala sério, né não?!? Coisas como essa é que não são feitas mais hoje em dia... Além de uma baita atuação daquele casal de atores, essa sacação de roteiro que tb foi genial... Portanto, o melhor do filme já deve ter começado pelo trailler da vida como ela "deveria ser" a que vc assistiu!... Bjsss.

Fernanda Braga disse...

Barbap,

meu 1o post em seu blog. Adorei a história real (só contigo mesmo), mas voltando a brincadeira com o filme... eu sou VICKY, e vc realmente, ñ tem NADA de Maria Helena.

beijos

Bárbara Pereira disse...

Sérgio,

sei vc é um homem que gosta dessas delicadezas que não existem mais. A confissão foi realmente uma bela cena!

beijo

Bárbara Pereira disse...

Fernanda,

eu realmente não tenho nada de
Maria Elena. Acho que sou uma mistura de Vicky e Cristina...rs

beijos e seja bem-vinda!

isabella saes disse...

Eu tb sou Vicky e Cristina juntas!!! Tô fora da Maria Helena... Beijos.

Kika Gada disse...

Te chamarem de Maria Elena é uma puta sacanagem. Recinsidere as amizades. Heheheheheh. Mas sinceramente acho que todas nós já tivemos nosso lapso de Maria Elena em um dia de TPM.